5 Gaps na Gestão de Energia que podem estar atrapalhando seus resultados

Publicado por Aline Gonçalves em sex, 08/06/2018 - 18:24
5 gaps de gestao de energia

 

Conheça cinco ações que devem ser evitadas para garantir a eficiência da Gestão de Energia de sua empresa.

 

O Sistema de Gestão de Energia tem como objetivo estabelecer e perpetuar a cultura de consciência e cuidado em relação ao uso da energia através de iniciativas de eficiência energética. Porém, sem os devidos cuidados por parte das organizações, tais medidas além de pontuais, se tornam transitórias, prejudicando consideravelmente os resultados da gestão a longo prazo.

A fim de auxiliar na permanência e constante evolução das ações tomadas por parte do Sistema de Gestão de energia, as empresas têm buscado cada vez mais, uma forma pragmática de promover benefícios em função da redução dos custos com energia e aquisição de conhecimento para gerir com mais assertividade.

O passo inicial dado por mais de 20.000 organizações ao redor do mundo, segundo pesquisa feita pela ISO em 2017, é a busca pela certificação nos padrões internacionais de gestão de melhoria contínua, voltada para a área de Energia e Utilidades. A ISO 50001, publicada em junho de 2011, estabelece um conjunto de elementos inter-relacionados ou interativos para estabelecer uma política energética, objetivos energéticos, processos e procedimentos para atingir tais objetivos.

Se a intenção da sua empresa é, além de reduzir custos operacionais com energia e utilidades, se posicionar como líder em sustentabilidade, um sistema de gerenciamento de energia compatível com a ISO 50001 é essencial. Mas implementar e reconhecer os resultados desse sistema em sua organização pode ser um desafio e até mesmo uma tarefa assustadora.

Para que esta transição seja feita com mais tranquilidade, vamos juntos identificar algumas oportunidades de melhoria que influenciam diretamente na eficácia do seu sistema de gestão. A análise das oportunidades, ou identificação dos gaps, parte do first assessement, ou diagnóstico inicial para a certificação na Norma ISO 50001 e a partir dela, você pode reconhecer em sua organização os comportamentos mais comuns que dificultam a visualização dos resultados do Sistema de gestão de energia proposto.

Conheça cinco grandes vilões que podem estar afetando o desempenho da gestão de energia de sua empresa.

 

1. Falta de conhecimento da situação atual

O primeiro gap a ser solucionado é a falta da observação sistemática das características e aspectos gerais que envolvem os processos que demandam energia na organização. Reconhecer as interfaces e expectativas com outras partes interessadas, definir o escopo e fronteiras do sistema é de fundamental importância para garantir um desempenho ótimo na gestão de energia, pois são os elementos fundamentais para a estruturação e operação adequada do Sistema de gestão de energia.

Portanto, antes de iniciar o ciclo de planejamento da gestão, atente-se para a situação atual em que se encontra a sua organização. Estabeleça um cronograma, defina metas, conheça o perfil de uso, consumo e desempenho energético atual, além de reconhecer a importância da política e cultura energética dentro da sua empresa.

 

2. Falta de envolvimento da Alta Direção da empresa

O segundo gap que pode estar atrapalhando seus resultados se trata da falta de engajamento por parte dos líderes de sua organização. Considerando que o Sistema de gestão de energia pode provocar modificações substanciais em diversas áreas da empresa, a liderança e o comprometimento da alta direção são elementos essenciais que influenciam na eficácia da gestão de energia.

A construção e manutenção da política energética devem partir da alta direção da organização, assim como garantir a visibilidade do processo através da promoção dos savings reais adquiridos com o Sistema de gestão de energia. A alta direção também deve assegurar que os propósitos da gestão são compatíveis com os da organização, assim como disponibilizar recursos (financeiros, humanos, legais, tecnológicos etc.) essenciais para o funcionamento adequado do sistema. O comprometimento com a melhoria contínua deve ser a principal bandeira a ser levantada a fim de se certificar que a gestão está acontecendo de maneira eficiente.

 

3. Plano de comunicação pouco eficiente

O terceiro gap encontrado a partir do diagnóstico para a certificação ISO 50001, é referente a falta de comunicação e visibilidade inadequada dos resultados do desempenho energético do Sistema de gestão de energia. Além de estabelecer um plano efetivo de publicidade e marketing, é indispensável que o sistema esteja aberto a sugestões de melhoria por parte de qualquer pessoa dentro da organização. Esta é uma excelente forma de envolver e sensibilizar todos os colaboradores para o esforço da organização em continuamente melhorar o seu desempenho energético, tornando o Sistema de gestão de energia mais efetivo.

 

4. Monitoramento incorreto do fluxo de energia

O monitoramento incorreto dos usos significativos de energia e do desempenho energético é uma das grandes causas da falha do Sistema de Gestão. Uma vez que os dados estão inconsistentes, não é possível estabelecer planos de ações assertivos e nem obter resultados eficientes. A correta definição da arquitetura deste sistema, com a identificação das variáveis relevantes, entre outros aspectos, é essencial para que o Sistema de gestão de energia produza e processe a informação necessária. Desta forma a liderança passa a tomar decisões eficazes objetivando a melhoria contínua do Sistema de gestão de energia e do desempenho energético da organização.

 

5. Ausência de procedimentos que descrevam o fluxo das atividades relacionadas ao Sistema de Gestão de Energia

Por fim, o último gap descrito diz respeito a falta de documentação dos processos envolvidos no sistema de gestão de energia. Os procedimentos são a base sobre a qual todas as atividades diretamente relacionadas à melhoria do desempenho energético da organização são executadas. Garante a continuidade do sistema através do mapeamento das atividades e metas vinculadas, reconhecimento das responsabilidades relativas a cada uma das atividades, determina os recursos necessários e prazos previstos para se realizar as ações e permite estabelecer um padrão de avaliação contínua do Sistema de gestão de energia.

 

Para finalizar

A constante busca de melhorias para mitigar os impactos causados pelos Gaps citados acima, é o principal objetivo previsto pela norma ABNT NBR ISO 50001. De uma maneira geral, toda a família de normas ISO oferece um conjunto de soluções voltadas para a melhoria contínua dos sistemas de gestão, em especial a ISO 50001 prevê um método para o mapeamento e monitoramento do consumo de energia de uma organização e fornece as ferramentas necessárias para que o desempenho energético faça parte do cotidiano da instituição que o implementou.

A plataforma Viridis provê funcionalidades para apoiar diretamente todo o ciclo de gerenciamento de energia e utilidades, envolvendo monitoramento, planejamento, contratação, custeio, medição e verificação, simulação e otimização do consumo energético. As funções de monitoramento possibilitam identificar oportunidades de melhoria nos processos, estratificando consumos energéticos por diferentes dimensões, além de possibilitar a quantificação de ganhos em custos e emissões de gases de efeito estufa. A integração dos dados de monitoramento às funções de planejamento confere maior sofisticação, consistência e acurácia sobre a previsão dos níveis futuros de consumo energético e, consequentemente, sobre o planejamento de custos e seu contraste com valores realizados. Funcionalidades de Business Process Management (BPM), por sua vez, possibilitam a configuração de procedimentos especificamente alinhados à realidade de cada operação, facilitando a organização de todo o Sistema de Gestão de Energia e Utilidades. Por fim, a plataforma Viridis viabiliza o gerenciamento integrado de projetos de melhoria contínua com foco em eficiência energética, promovendo o alinhamento estratégico desde a idealização, implantação e valoração dos investimentos realizados pela organização por meio de funcionalidades específicas de medição e verificação. Saiba mais sobre os nossos produtos. 


Analista de Gestão de Energia, Viridis

Analista de Gestão de Energia na Viridis, atuando na Gestão de Energia e Planejamento Estratégico da Bayer. Formada em Engenharia Elétrica com ênfase em Controle e Automação pela Universidade Federal de Uberlândia. Participou de projetos P&D para a medição inteligente de energia da CELG e CEMIG, conduziu projetos de inovação, inteligência artificial, robótica e gamification para ambientes corporativos.

Comentar