Como a gestão de energia e utilidades integrada alavanca a eficiência energética das empresas

Publicado por Nathália Cioffi em qua, 23/10/2019 - 21:23
viridis-blog-artigo-gestao-energia-integrada

A melhoria do desempenho energético, no ponto de vista econômico, é uma preocupação comum dos grandes consumidores. Neste artigo discutiremos como as empresas podem alavancar a eficiência energética a partir de um sistema integrado de gestão de energia e utilidades. Confira!

 

A gestão de energia e utilidades tem como um de seus objetivos melhorar o desempenho energético, incluindo a eficiência energética, uso e consumo. Diante disso, as equipes gestoras desenvolvem soluções para controle do consumo de energia e utilidades em tempo real, obtendo certificações que colocam em prática programas que buscam elevar o nível de eficiência energética através da melhoria contínua dos processos produtivos e, além disso, a redução da emissão dos gases de efeito estufa.

Ainda que o ponto de vista econômico seja a principal preocupação das empresas, o gerenciamento de energia vai muito além da diminuição de gastos e envolve todas as etapas do processo – do chão de fábrica até o corporativo. Um sistema de gestão de energia e utilidades que atua de maneira integrada atende todos os setores técnicos e administrativos da corporação, permitindo amplo acesso aos indicadores de interesse.

Pilares do Sistema Integrado de Gestão de Energia e Utilidades

Gestão de consumo estratificado, analítico e em tempo real

A partir dos dados captados em tempo real, é possível ter uma visão congruente de todo o mapa de consumo de energia e utilidades da empresa – o que promove uma visão mais coesa dos consumos dos equipamentos monitorados, identificando e priorizando as oportunidades de melhoria do processo e aumentando a eficiência energética das organizações.

Gestão estratificada de geração e conversões de energia em tempo real

Através do monitoramento em tempo real do desempenho da geração e conversão de energia é possível detalhar o consumo dos insumos envolvidos, da energia e dos coprodutos produzidos, além dos índices de eficiência de geração e conversão de cada processo.

Gestão de estoque e reconciliação de inventários

O controle detalhado do consumo dos insumos energéticos ajuda a monitorar o seu estoque e a avaliar se o que está sinalizado como disponível é o que realmente consta nos reservatórios, o que contribui para um melhor controle de volumes e custos.

Apropriação direta de custos a partir da medição de consumo

Com o controle estratificado dos insumos energéticos em tempo real, é possível sinalizar diretamente para as áreas consumidoras qual será o custo de cada um deles e qual será seu impacto no custo final, eliminado a necessidade de rateios. A partir de regras de custeio determinadas pela empresa, os custos são lançados diretamente nas contas contábeis devidas e, a partir de um fechamento periódico, no ERP para cada área.

Esta funcionalidade proporciona a cada setor da empresa a possibilidade de entender o seu nível real de custos a partir das quantidades consumidas, contribuindo para a precisão do processo de orçamento e para o controle mais fino dos custos de energia e utilidades.

Gestão de múltiplos tipos de insumos e suas redes de distribuição

Um sistema de gestão de energia e utilidades deve promover o monitoramento do consumo em cada medidor e equipamento de todos os insumos energéticos e utilidades de interesse (água, vapor, energia elétrica etc.) e a organização desses dados em torno de uma rede de distribuição.

Com essa funcionalidade é possível explorar as redundâncias existentes para melhorar a qualidade dos dados, detectar problemas de balanceamento e perdas e identificar de forma automática incidentes que devem ser resolvidos, aumentando a eficiência da área de produção e mitigando riscos.

Simulações de planos de produção, consumo e seu impacto sobre contratos

A primeira intenção da previsão de consumo a partir dos planos de produção é a elaboração de planos de consumo futuro. Estes planos, depois de consolidados, são precificados pelos contratos de energia. As simulações de planos de consumo e orçamentários também contribuem significativamente para a redução de custos energéticos.

Gestão de contratos e faturas

Grandes consumidores que operam no mercado livre de energia agregam vários contratos de insumos energéticos. Um sistema de gestão de energia e utilidades é um grande aliado nesta tarefa, uma vez que possibilita gerenciar contratos, levando em consideração suas diferentes características de sazonalidade, montantes de consumo, demandas contratadas, flexibilidades, classes tarifárias etc. A possibilidade de realização de auditorias automáticas de faturas é outra funcionalidade que traz agilidade e ganhos para a empresa.

Esta funcionalidade é importante para que a empresa conheça os seus verdadeiros custos de energia, aumente a produtividade da equipe com a automação das rotinas de gerenciamento e consolidação de informações. Além disso, através da gestão de contratos e faturas é possível ter mais previsibilidade dos custos, reduzir o risco financeiro e, consequentemente, contribuir para a criação de vantagem competitiva. Quando a empresa também gera energia, uma boa gestão de contratos pode fazer muita diferença nos resultados financeiros, desde que haja boa sinergia e integração com as operações industriais.

Planejamento e gestão de ciclos orçamentários

Com o controle integrado de insumos energéticos, um sistema de gestão de energia e utilidades possibilita o gerenciamento de todo o ciclo de orçamento da organização, orquestrando procedimentos de previsão de custos - a partir dos contratos mencionados acima - oferecendo informações para um planejamento mais condizente com a realidade da companhia e seus objetivos.

Gestão de ciclo de melhoria contínua das operações

O monitoramento dos insumos energéticos, a gestão dos contratos e faturas, o custeio direto e não rateado para as áreas, a análise dos dados do planejamento a partir do consumo realizado e os valores gastos com energia e utilidades contribuem diretamente para a melhoria contínua dos processos de gestão da empresa. As oportunidades de melhoria influenciam diretamente a eficácia do seu sistema de gestão. No entanto, um bom sistema de gestão de energia e utilidades deve possibilitar também o gerenciamento dos projetos de melhoria contínua com foco em eficiência energética, desde sua identificação e priorização, contemplando a organização de todos os dados relevantes para a contextualização das variáveis de interesse para o projeto, até a efetiva medição e verificação dos resultados capturados pela iniciativa.

Integração com sistemas industriais e de gestão

A integração automática com outros sistemas é parte fundamental de um sistema de gestão de energia e utilidades.

Dados de consumo energético podem ser capturados diretamente de medidores digitais, de sistemas de automação ou de sistemas historiadores (PIMS - Plant Information Management Systems); o contexto dos dados de consumo – por exemplo, ordens de produção, status de equipamentos, etc. – muitas vezes dependerá de informações provenientes dos sistemas de automação e de sistemas de gestão de produção (MES - Manufacturing Execution Systems); dados sobre orçamento e custos apurados em energia e utilidades podem ser gravados e/ou consultados em sistemas corporativos (ERS - Enterprise Resource Planning).

Sistemas de gestão como o Viridis realizam a gestão de contratos e faturas e também é capaz de elaborar o orçamento anual de energia e utilidades, além de analisar a predição de consumo futuro, usando o aprendizado de máquina para otimizar todos os processos e, portanto, torná-los mais eficientes. O Viridis também cobre todos os pilares citados acima, contribuindo para a otimização dos processos a partir da gestão estratificada de consumo e geração de energia e de estoque e de reconciliação de inventários. Além disso, o sistema de gestão da Viridis é capaz de monitorar o consumo, possibilitando simulações de planos de produção e gestão de contratos e faturas, fazendo a integração com sistemas industriais e de gestão.

Quando falamos sobre a aplicação de um sistema de gestão de energia e utilidades que atua de maneira integrada, logo pensamos nos ganhos em eficiência energética. Isso porque a utilização do sistema de gestão envolve uma série de análises e processos que permitem a simulação de cenários futuros, agregando informações para um planejamento mais consistente com a realidade operacional e orçamentária da empresa.

O conceito de eficiência energética consiste em estabelecer a melhor performance de um produto com o menor gasto energético possível. Desta forma, a redução do custo com energia e utilidades tem sido a maior preocupação de grandes organizações que apresentam altos gastos financeiros com energia. O monitoramento e planejamento adequados de consumo de energia e utilidades e o uso de energias renováveis são pré-requisitos para o sucesso dos resultados.

Gestão proativa

Funções de monitoramento possibilitam identificar oportunidades de melhoria nos processos, estratificando os consumos energéticos por diferentes dimensões, além de possibilitar a quantificação de ganhos em custos e emissões de gases de efeito estufa. A integração dos dados de monitoramento às funções de planejamento fortalece os esforços de iniciativas de eficiência, uma vez que conferem maior consistência sobre a previsão de consumo futuro e, consequentemente, sobre o planejamento de custos.

viridis-blog-artigo-gestao-energia-integrada-esquema
Figura 1 – Ciclo PDCA aplicado à gestão de energia (ref. ISO 50001) 

Um sistema de gestão de energia e utilidades possibilita o gerenciamento integrado de projetos de melhoria contínua com foco em eficiência energética, buscando o alinhamento estratégico desde a idealização, implantação e valoração dos investimentos realizados pela organização.

Portanto, para alcançar os resultados esperados em eficiência energética é importante não somente investir em um sistema de gestão de energia e utilidades de qualidade, mas garantir o seu funcionamento.

Investir em inciativas de eficiência energética tonou-se questão de primeira ordem para grandes empresas. Naturalmente, ganhos em eficiência energética tornam as organizações mais competitivas – a competitividade se reverte em melhores resultados financeiros – e a maior eficiência garante menores níveis de emissões de gases de efeito estufa, reduzindo o impacto ambiental, além de melhorar a qualidade do trabalho, ambos impactando positivamente a comunidade.

Leia também: 5 Gaps na Gestão de Energia que podem estar atrapalhando seus resultados

Benefícios da eficiência energética

  • Redução de custos e despesas
  • Aumentos nos níveis de produtividade
  • Maior controle de processos produtivos
  • Redução dos impactos ao meio ambiente
  • Maior previsibilidade da demanda e custos de insumos energéticos
  • Aumento de competitividade
  • Diminuição da liberação de gases de efeito estufa
  • Redução do consumo específico de energia

Já sabemos que existem vários benefícios em adotar um sistema de gestão de energia e utilidades integrado na sua empresa. Benefícios esses que vão além da questão econômica e de funcionamento. Portanto, é fundamental investir em um sistema de gestão de energia de qualidade e conscientizar os colaboradores da sua empresa a pensar e agir de maneira sustentável.

Leia mais: 7 Razões para investir em um Sistema de Gestão de Energia e Utilidades

Estagiária de Conteúdo, Viridis

Estagiária de conteúdo da Viridis e estudante de jornalismo da PUC Minas. Já trabalhou na assessoria de comunicação e no site do CREA-MG. Possui experiência em produção de conteúdo digital e assessoria de imprensa.

Comentar