Sistema de Gestão de Energia e Sustentabilidade e a contratação de demanda energética

Publicado por Guilherme Vilela em seg, 05/10/2020 - 21:29
Sistema de Gestão de Energia e Sustentabilidade e a contratação de demanda de energia

 

Conheça os benefícios da diminuição da demanda de energia de sua empresa utilizando um Sistema de Gestão de Energia e Sustentabilidade.

 

Algumas empresas realizam a gestão de seus recursos como, por exemplo, a contratação de demanda de energia, através de várias ferramentas ao mesmo tempo. Elas passam por planilhas de Excel, repositório de dados online, documentos físicos, entre outros. Contudo, essa solução é propensa a desorganização ou perda de dados, principalmente em casos de emergência ou quando é necessário realizar análises de longos períodos ou diversas áreas ao mesmo tempo. Uma boa solução para essas questões é a utilização de um Sistema de Gestão de Energia e Sustentabilidade.

Figura 1 – Sistema de Gestão de Energia e Sustentabilidade

Figura 1: Sistema de Gestão de Energia e Sustentabilidade

 

Funcionamento de um Sistema de Gestão de energia e sustentabilidade

Um Sistema de Gestão de Energia é uma solução que possibilita monitoramento, controle, planejamento e custeio dos insumos energéticos em uma plataforma online, na qual esses dados estão organizados em uma rede de medição, consumo e equipamentos através de dados históricos e atuais.

As medições são feitas através de medidores físicos nos equipamentos e PLCs (Programmable Logic Controller), que são aparelhos digitais que comandam de forma automática a execução de funções específicas, sem a necessidade de comandos humanos diretos e que, por fim são integrados com uma base de dados que serve como repositório.

Outra opção para que a medição seja feita são os medidores NILM (Nonintrusive load monitoring), ou em português MENI (Medidor de Energia Não Intrusivo) que são uma forma de analisar as variações da tensão e da corrente que entram em um processo e deduzir quais equipamentos são utilizados nesse processo, bem como seu consumo individual de energia.

Uma vez que a infraestrutura de medição está construída e operando, é necessário que a identidade de cada medidor seja atribuída a um equipamento, para que seja possível gerir as informações.

É aqui que o Sistema de Gestão de Energia e sustentabilidade entra, pois, com as medições e consumo dos equipamentos atribuídos, cria-se indicadores de performance que irão monitorar e indicar o desempenho de toda a planta industrial.

Através dos dados históricos, e do monitoramento constante desses indicadores, é possível determinar um padrão de consumo em diferentes estados de produção. Assim, analisa-se horizontalmente e verticalmente o valor necessário de energia elétrica para suprir a produção e os gastos do dia a dia. Isso significa, respectivamente, que todo o chão de fábrica e os equipamentos serão monitorados, vinculando desta maneira toda a hierarquia de equipamentos.

O valor mensal de consumo (kWh) e o perfil desta carga, permitem a determinação da demanda a ser contratada.

Com esses dados, determina-se o montante de energia elétrica mensal necessária para os processos industriais e o valor da demanda a ser contratada.

Contratação de demanda energética no Brasil

A demanda de energia pode ser definida como a potência em kW que um consumidor necessita para atendimento das suas cargas, ou seja, é a potência a ser entregue a esse consumidor para que sua carga seja suportada. No Brasil, a demanda é medida de 15 em 15 minutos e o valor faturado mensalmente é o maior dentre todos estes períodos de medição.

O consumidor de energia pode recorrer à dois ambientes de contratação dependendo da sua demanda contratada, como pode ser visto abaixo.

Figura 2 – Mercado Livre e Cativo de Energia

Figura 2 - Mercado Livre de Energia 

Fonte: Fonte: Abracel – Cartilha Mercado Livre de Energia

No mercado cativo, o contrato é feito com a concessionária que fornece os serviços de energia da região na qual a unidade consumidora está conectada. Já no mercado livre a unidade consumidora tem a liberdade de escolher o seu fornecedor de energia (gerador ou comercializador), mas para isso, é necessário preencher alguns critérios no que diz respeito à demanda contratada. Esta deve ser de no mínimo 500 kW, desde que a energia seja gerada por fontes renováveis, tais como hidrelétricas de pequeno porte (PCH), termelétricas a biomassa, fontes eólicas, dentre outras. Os consumidores com demanda contratada acima de 2.000 kW podem adquirir energia de qualquer fonte de geração, incluindo as grandes hidrelétricas do país e as mais modernas usinas térmicas.

Leia também: “A relação entre o mercado financeiro e a comercialização de energia no Brasil

Benefícios do Sistema de Gestão de Energia e Sustentabilidade para a empresa

A partir do monitoramento dos indicadores de consumo feitos através do Sistema de Gestão de Energia e sustentabilidade na empresa, é possível identificar pontos de melhoria no processo industrial a serem realizados, de tal maneira que a eficiência energética seja aperfeiçoada e assim diminuindo a quantidade de energia necessária, sem que a produção da empresa seja afetada.

As análises, planejamentos, e controles contribuem para que as empresas possam determinar com precisão qual é o valor de demanda correta a ser contratada, qual são as fontes disponíveis para essa contratação e se existe espaço para melhorias, seja diminuindo a demanda contratada atual ou prevendo qual será o valor a ser contratado dependendo do cenário de produção da indústria.

Devido aos cenários de consumo e produção planejados com os dados históricos e atuais, é possível prever um padrão de consumo e evitar a contratação adicional de uma demanda de energia, ou seja, o Sistema poderá prover soluções que atendem tanto no presente quanto no futuro, que poderia chegar a 5 anos. Isso significa que a empresa não somente estará economizando financeiramente, mas também estará contribuindo para a sustentabilidade global dos recursos energéticos.

Além disso, através da utilização de um Sistema de Gestão de Energia e sustentabilidade, é possível diminuir a emissão de toneladas de CO2 no meio ambiente e obter maior competitividade no mercado e a participação na chamada Energy 4.0, que representa a transformação digital na indústria de energia – indústria que apenas recentemente passou a receber maior atenção e investimento.

Leia também: “7 Razões para investir em um Sistema de Gestão de Energia e Utilidades"

Analista de Gestão de Energia, Vetta Tecnologia

Engenheiro Eletricista, graduado na PUC Minas e pós-graduando em Eficiência Energética e Qualidade de Energia. Participou de um projeto de pesquisa no qual pode praticar habilidades de escrita com intuito de produção de um artigo, na área de máquinas elétricas. Atua como Analista de Gestão de Energia da equipe de Energia e Sustentabilidade na Vetta.

Comentar