Triple Bottom Line: Sustentabilidade e eficiência energética

Publicado por Carina Lima em seg, 29/05/2017 - 17:14
triple bottom line

A sustentabilidade e a preservação dos recursos naturais têm se tornado temas cada vez mais relevantes. Problemas de abastecimento energético, crise hídrica e efeito estufa são alguns dos motivos que trazem o conceito de Triple Bottom Line para a pauta de discussões de grandes empresas, além de líderes governamentais e organizações do terceiro setor. Investimentos em processos mais eficientes e menos prejudiciais ao meio ambiente passam a ser primordiais para que as empresas possam, de fato, colocar em prática o tripé da sustentabilidade, contribuindo para o planeta e para a sociedade de uma forma geral, sem deixar de lado a redução de custos. Neste artigo abordaremos o conceito de Triple Bottom Line, e como a eficiência energética pode contribuir para que os pilares da sustentabilidade possam promover mudanças na sociedade.

O que é Triple Bottom Line?

Triple Bottom Line, também chamado em português de Tripé da Sustentabilidade ou 3P's da Sustentabilidade, traduz o conceito de que a sustentabilidade precisa abranger aspectos ambientais, econômicos e sociais de forma integrada, para que os resultados de uma empresa sejam avaliados pelo mercado e pela sociedade de forma completa. Significado dos três P's da sustentabilidade:

• Planet (Planeta): corresponde aos aspectos ambientais;

• Profit (Lucro): refere-se ao lucro das organizações, ou seja, seus resultados econômicos;

• People (Pessoas): trata dos benefícios gerados para a sociedade em geral, as pessoas;

O conceito, criado nos anos 1990 por John Elkington, cofundador da organização não governamental internacional SustainAbility, preza por resultados mensuráveis e tangíveis, analisando o impacto das atividades da empresa, organização ou nação no mundo ao seu redor.

Tripé da sustentabilidade

Como a eficiência energética contribui para a sustentabilidade?

Pensar em eficiência energética se tornou tão relevante que energia é, atualmente, um tema de discussão permanente dos grupos internacionais G-8 e G-20. A expansão acentuada do consumo de energia possui uma série de aspectos negativos, como a possibilidade do esgotamento de recursos naturais utilizados para sua geração. O transporte e o consumo de energia trazem impactos significativos para o meio ambiente, por isso a necessidade de se discutir e estimular a eficiência energética.

A gestão de energia e utilidades, quando executada de modo eficiente pelas empresas, é uma ferramenta fundamental para que a sustentabilidade seja colocada em prática e os resultados alcançados. Elencamos abaixo os principais benefícios, para cada um dos pilares do tripé da sustentabilidade, que a eficiência energética pode gerar.

 

Benefícios para o Meio Ambiente (Planeta)

Redução de consumo de água: segundo a Organização das Nações Unidas, a atividade industrial é responsável por 22% do consumo de água no mundo. Uma boa gestão de utilidades, permite que as empresas se tornem mais eficientes na utilização desse recurso e assim reduzam seu consumo de água. Além disso, a gestão de utilidades engloba também processos de tratamento da água para diminuir a contaminação e poluição de rios e oceanos.

Redução de consumo de insumos energéticos: um projeto de eficiência energética tem como principal objetivo a redução do consumo de insumos energéticos como energia elétrica, petróleo, carvão, gás natural, etc. Essa redução, além de gerar economia, contribui para amenizar os impactos ambientais negativos nas atividades de geração, transmissão e distribuição de energia.

Redução de emissão de gases: de acordo com um relatório publicado pela United States Environmental Protection Agency - EPA, a queima de carvão, gás natural e petróleo para eletricidade e calor é a maior fonte mundial de gases de efeito estufa. Em 2010 esta atividade representou 25% das emissões globais. Uma vez que o consumo de energia é reduzido, também diminuem as emissões de gases de efeito estufa.

 

Benefícios para a empresa (Lucro)

Redução de custos: uma vez que a empresa investe em eficiência energética, é possível evitar desperdícios, otimizar a utilização de toda matriz energética e possibilitar a reutilização inteligente de energias geradas. Todos esses fatores levam a um dos resultados mais diretos e mensuráveis do processo: a redução de custos.

Visibilidade através da ISO 50.001: as estruturas necessárias para a aplicação do Triple Bottom Line são as mesmas para que uma empresa promova o ciclo de melhoria contínua de eficiência energética proposto pela ISO 50.001. Existe, portanto, uma sinergia entre as duas iniciativas. Obter a certificação na norma institucionaliza as atividades de eficiência energética e traz também uma visibilidade significativa para a empresa, diante da sociedade.

 

Benefícios para a sociedade (Pessoas)

Evita o racionamento de água: de acordo com o ecólogo José Galizia Tundisi, do Instituto Internacional de Ecologia, “nos últimos cinquenta anos, a população mundial triplicou e o consumo de água aumentou seis vezes”. Diante deste cenário, aumenta o risco de racionamento de água e os investimentos em eficiência energética e de utilidades se tornam fundamentais. Projetos de eficiência energética bem estruturados impactam diretamente na economia de água em diversos processos. Utilizar bem este recurso tão escasso, além de reduzir custos, contribui para evitar um possível racionamento de água para a população.

Reduz o risco de racionamento energia: diversos países enfrentam uma situação, ou risco real, de racionamento no fornecimento de energia. Este cenário é causado por diferentes motivos, que vão desde mudanças climáticas, no caso da energia elétrica gerada a partir de recursos hídricos, a desastres naturais. O racionamento de energia afeta diretamente a produtividade de um país, e traz consequências graves como escassez de alimentos, recessão e crises econômicas. Quando grandes empresas investem em eficiência energética, contribuem diretamente para a redução do risco de racionamento de energia.

Facilita a transição para a nova matriz energética renovável: o uso contínuo de combustíveis fosseis no mundo causou grandes problemas ambientais e fez com que fontes renováveis de energia, como a eólica ou solar, passassem a ser discutidas. O Triple Bottom Line é um facilitador para que a transição para uma nova matriz energética aconteça de forma mais acelerada. Os resultados dessa transição são a redução de emissões de gases GHG, a redução de riscos operacionais inerentes a outras fontes de energia como usinas nucleares, dentre outros. A utilização de energias renováveis é uma tendência irreversível que deve crescer nos próximos anos por todo o mundo.

 

Colocar a sustentabilidade no centro da estratégia da empresa através de ferramentas como o Triple Bottom Line é mais do que uma questão de imagem, também pode trazer ganhos diretos, proporcionando benefícios significativos tanto para a empresa, quanto para o meio ambiente e a sociedade.

Leia também Investimento em sustentabilidade: vantagem competitiva ou apenas mais uma despesa?

Coordenadora de Marketing, Viridis Energy

Coordenadora de Marketing na Viridis, formada em Gestão de Eventos, pós-graduada em Marketing e Comunicação,  certificada em Inbound Marketing pela Hubspot,  possui grande experiência em marketing digital, produção de eventos corporativos, marketing de conteúdo, copywriting, planejamento e vendas SaaS.

Comentar